Entrevista Mickael Carreira

Mickael Carreira atua no palco principal das Festas de São Pedro em Porto de Mós no dia 4 de julho
3 Julho 2024
| Autor: Rádio Dom Fuas

A carreira do Mickael Carreira já é longa, já lá vão quase 20 anos desde o primeiro disco… No teu Instagram há uma foto onde estás frente a frente com um cartaz com o Mickael de há quase 20 anos. A esta distância, o que vês no artista de 2006?
Às vezes faço esse exercício e são quase 20 anos que passaram num ápice e com um público que esteve sempre comigo. O Mickael de 2006 era um jovem sem experiência, mas com muitos sonhos e muito me orgulha que já tenha realizado muitos deles, depois de todo este tempo. Na verdade, ainda há muitos projetos que quero apresentar, por isso estou só a começar!

Fizeste uma pausa nestes últimos anos principalmente devido ao ritmo frenético que tiveste durante muito tempo, como já revelaste já em algumas entrevistas. A minha pergunta é se esta pausa te trouxe alguma nova força e se também serviu para encontrar novas sonoridades para os próximos tempos.
Serviu principalmente para encontrar o meu caminho. Acho que quando estamos no meio de um turbilhão de acontecimentos, é saudável que estejamos mais centrados em nós para
perceber o que nos faz sentido. Foi isso que fiz. Tenho ficado muito feliz com a receptividade do público em relação aos novos temas e isso dá-me ainda mais força para continuar.

E o novo álbum?
Estamos a trabalhar para o finalizar brevemente e conto apresentá-lo no final deste ano. Estou entusiasmado com este álbum até porque me arrisco a dizer que é o meu melhor álbum de sempre.

Pelos Cantos do Mundo (com Matias Damásio), Se Não Houvesse Amor (com Los Romeros) e Caladinho estão a corresponder às espectativas? São músicas que já indicam um pouco do que poderemos encontrar no próximo álbum?
Estava um pouco receoso antes de lançar precisamente porque não apresentava um novo
trabalho há algum tempo. Não podia pedir melhor! Até me tenho surpreendido com os
números e é incrível ouvir as pessoas cantar estes novos temas ao vivo nos concertos. Estes temas mostram o caminho que quero seguir para o novo álbum, sem dúvida.

Olhando para os convidados das últimas canções, é visível que são convidados de áreas musicais um pouco diferentes do estilo habitual que conhecemos do Mickael Carreira. Foi essa a premissa?
Vou convidar artistas que tenham um som muito diferente do meu… Pela primeira vez na minha carreira, optei por numa primeira fase criar e produzir os temas e depois perceber que colaborações fariam sentido. As escolhas que fiz foi por artistas que admiro e que têm uma personalidade que me identifico. O Matias Damásio aceitou logo o meu convite e “Pelos Cantos do Mundo” tem resultados incríveis e mais recentemente os Los Romeros alinham prontamente neste tema “Se Não Houvesse Amor” que está a crescer diariamente. Todos temos o mesmo objetivo passar emoção e sentimento nos nossos temas.

O Mickael Carreira iniciou uma nova digressão nacional no passado mês de abril em Braga e no Coliseu de Lisboa e agora irá atuar um pouco por todo o país. O que poderemos esperar dos concertos de Mickael Carreira, em particular no de Porto de Mós no dia 4 de julho?
Estou muito feliz por estar dia 4 de julho em Porto de Mós. Sempre fui muito bem recebido e
tudo faremos para que seja um concerto memorável!

Haverá foco especial nas canções mais novas?
Neste concerto podem ouvir um pouco de tudo, desde os temas que todos conhecem como
Porque ainda te amo, o Bailando, e como é óbvio não podem faltar os temas mais recentes
que têm apaixonado o público. Vamos fazer a festa em Porto de Mós!

Qual é aquele momento que imaginas como o ponto mais alto dos concertos que irás realizar?
Quando chamo alguém do público ao palco é sempre um momento engraçado, mas sinto que o público é muito receptivo e que me acompanha ao longo de todo o tempo do concerto, desde as baladas aos temas mais mexidos.